fbpx

Milagres do Alcorão

O profeta Muhammad disse: “A todo profeta foram concedidos milagres em razão dos quais as pessoas acreditavam, mas a mim foi concedida a revelação divina que Allah me revelou, e espero que meus seguidores venham a ultrapassar em número os seguidores de outros profetas no Dia da Ressurreição.” (Sahih Al-Bukhari)

Segundo o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, o milagre é um “fato extraordinário ou inexplicável pelas leis da natureza que é atribuído a causa divina ou sobrenatural”.

Há um consenso entre os muçulmanos de que o Alcorão é em si um milagre, mas como o leitor de língua portuguesa, que só tem acesso aos textos traduzidos, poderia reconhecer esse milagre? O que haveria de tão extraordinário e inexplicável no Alcorão, que fez dele uma prova irrufutável para muitos que o ouviram desde a época da sua revelação?

Para responder a essas perguntas, muitos estudiosos e eruditos escreveram diversos livros, alguns dos quais a Editora Bismillah pretende um dia publicar in sha’ Allah, mas preparamos aqui um resumo de fatos curiosos e impressionantes sobre o Alcorão:

  • Segundo a doutrina islâmica, o Alcorão foi revelado por Deus ao Profeta Mohammad (que a paz esteja com ele) por intermédio do Arcanjo Gabriel. Fato curioso é que o Profeta Mohammad (que a paz esteja com ele), embora fosse de uma família nobre e tenha sido criado em um ambiente de alta cultura linguística, era ele mesmo iletrado e não era um poeta, como muitos de seu tempo.
  • O Alcorão é um livro dividido em 114 capítulos, chamados suras em árabe, e cada versículo desses capítulo é chamado um ayat ou “sinal”. Os ayats eram revelados pouco a pouco, e após sua revelação o Profeta Mohammah (que a paz esteja com ele) dizia de qual capítulo aquele versículo fazia parte. Ou seja, as revelações são seguiram uma ordem fixa, nem em termos de capítulos nem de versículos. (Seria um tanto quanto confuso para uma pessoa compor um texto completo assim de cabeça e no decurso de 23 anos, não?)
  • Os argumentos linguísticos que explicam o milagre do Alcorão são inúmeros e muitos deles são argumentos bastante técnicos, que pressupõem um mínimo entendimento do árabe, mas o que se pode afirmar desde já é que o Alcorão foi um marco para a língua árabe. Nunca antes as palavras árabes tinham sido organizadas de tal forma: o Alcorão apresenta novidades na construção de frases, expressões nunca antes utilizadas, palavras novas e novos empregos para palavras antigas, entre outras inovações que fizeram os árabes da era pré-islâmica maravilharem-se ao ouvir algo tão diferente e ao mesmo tempo tão claro e tão bonito.
  • Argumentos numéricos: o Alcorão apresenta milagres numéricos que são difíceis de explicar num livro que foi revelado de maneira aparentemente tão desordenada e apenas em forma oral. Como poderia uma tal obra apresentar em seu todo tanta unidade e perfeição? Um exemplo disso é a existência de uma relação entre o número de vezes em que certas palavras aparecem no Alcorão e o sentido das próprias palavras: as palavras “noite” (layl) e “dia” (nahar) aparecem o mesmo número de vezes, o que acontece também com as palavra “paraíso” (al-jannah) e “inferno” (al-nar) e com a dupla “anjos” (mala’ikah) e “demônios” (shayaatin). A palavra “mês” (shahr) aparece exatamente 12 vezes no Alcorão, e a palavra “dia” (yawm – um período de 24 horas, e não somente sua metade diurna) aparece 365 vezes.
  • Argumentos científicos: No Alcorão há muitas passagens cujo significado literal não poderia ser conhecido por ninguém na época de sua revelação, uma vez que se referiam (entre outras coisas) a fatos que só vieram a ser conhecidos com exatidão na modernidade. Um exemplo se encontra na Sura da Formiga (27.88): “Vês as montanhas e as julgas firmes e estáticas, ao passo que, na realidade, passam como as nuvens. Essa é a obra de Deus, que aperfeiçoou todas as coisas. Eis que Ele está bem informado sobre o que fazeis.” Apenas nas interpretações modernas do Alcorão é possível encontrar comentários aludindo ao movimento das placas tectônicas. Antigamente, sendo esse fato desconhecido, muitas foram as tentativas de compreender este versículo, que não tinha explicação literal, embora tivesse e ainda tenha explicações místicas e doutrinais.
  • Por último, mas não menos importante, o Alcorão tem o poder de tocar os corações dos que o ouvem, que o sentem como se Deus estivesse se dirigindo a eles pessoalmente. Esse fato, embora não seja facilmente reconhecido por quem é estranho à tradição islâmica, já foi constatado inúmeras vezes ao longo das gerações, e é incontável o número de histórias de conversão ou de santificação baseadas na audição de um versículo do Alcorão.

Achou tudo isso pouco? Convidamos você a mergulhar no estudo da língua árabe para poder constatar por conta própria as maravilhas deste oceano sem margens que é o Alcorão.

Caso queira ser um investidor dos nossos projetos editoriais, clique aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *